Maioria da bancada do PSD, diz sim ao impeachment, afirma líder

O partido do ministro Gilberto Kassab se reuniu para tratar do tema nesta quarta, anúncio sobre orientação de como a sigla vai votar o impeachment, que deve ser feito à noite.

O líder do PSD na Câmara, Rogério Rosso (DF), afirmou nesta quarta-feira (13/04) que a “ampla maioria” dos deputados da bancada é a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff. A sigla conta atualmente com 36 deputados federais na câmara.

A decisão sobre se haverá orientação a favor do processo, na votação em plenário, será anunciada às 19:00 horas. A tendência é de que o líder oriente o voto favorável, mas que não haja fechamento de questão (que é quando os deputados podem ser punidos por contrariar a posição oficial da legenda).

PSD-de-Kassab

O líder do PSD, Rogério Rosso (DF), em entrevista a jornalistas na Câmara (Foto: Nathalia Passarinho/G1)

A declaração de Rosso ocorreu após reunião com o ministro das Cidades, Gilberto Kassab, presidente da sigla. Inicialmente, o ministro queria liberar o voto da bancada. Mas, segundo apurou o G1, os deputados exigem uma posição mais forte em relação ao impeachment, com orientação formal favorável ao processo.

“Existe uma ampla maioria [a favor do processo]. Claro que existe. Mas o PSD sempre respeita, inclusive, em algumas matérias mesmo tendo minoria, ele respeitou nos encaminhamentos de votação, mesmo com posição partidária. O PSD hoje, repito, já tem ampla maioria de votos a favor do impeachment”, disse Rosso.

O líder do PSD destacou que o ministro Gilberto Kassab respeitará a decisão da bancada, caso seja favorável ao processo de impeachment. “Tudo o que acontece com a bancada o ministro sempre delegou. O gesto do ministro foi claro, a decisão de vocês será respeitada.”

Rosso não quis, porém, adiantar se haverá entrega de cargos no governo, caso o PSD oriente o voto a favor do impeachment.

“Aqui eu só posso tratar sobre o posicionamento do partido. Sobre as questões do próprio ministro e do partido, não”, afirmou.

Outros partidos e a posição sobre o impeachment

Ao longo da semana, partidos têm se reunido para definir se ficam ou não na base aliada e se orientam voto favorável ou contra o processo de impeachment de Dilma.

Nesta terça (12/04), o PP decidiu que votará a favor do processo. A decisão foi anunciada pelo líder do partido, Aguinaldo Ribeiro (PB), que já havia informado ser pessoalmente contra o afastamento da petista.

Leia também:

Conserto de uma goteira levou à descoberta de quadro que pode valer R$ 470 milhões

PM do Distrito Federal prende militante do MST com 55 mil em dinheiro

Deputado Flávio Bolsonaro troca tiros na Barra da Tijuca

Homem ateia fogo ao próprio corpo, em frente ao Palácio do Planalto

Presidiários constrói ‘ muro do impeachment’ em Brasilia

Dupla executa PM a tiros em frente a comércio no Marcos Freire em Guarulhos

O PP vinha demonstrando racha na bancada nas últimas semanas quanto ao processo de impeachment e a cúpula do partido negociava cargos com o governo em troca de apoio. O Planalto chegou a cogitar entregar o Ministério da Saúde à legenda, umas das pastas mais cobiçadas por causa do alto orçamento. No entanto, parcela dos deputados pressionava fortemente por um rompimento. Atualmente, o partido conta com 47 parlamentares em exercício na Câmara dos deputados.

Também na noite desta terça-feira, a bancada do PRB decidiu que votará a favor do impeachment de Dilma. O partido foi o primeiro a desembarcar do governo, ao devolver o Ministério dos Esportes, que ocupava. De acordo com o presidente nacional do partido, Marcos Pereira, os 22 deputados federais do partido votarão a favor do impeachment.

O PDT, por outro lado, anunciou nesta quarta (13/04) que vai votar contra a continuidade do processo. Segundo o líder do PDT, Weverton Rocha (MA),  que o partido fechou questão para que a bancada toda, formada por 20 deputados, vote contra a abertura do processo de afastamento.

O PDT faz parte da base aliada e, atualmente, ocupa o Ministério das Comunicações. Após o anuncio do PDT, o deputado Sergio Vidigal (PDT-ES) afirmou em nota que sua posição não é a mesma da bancada, e que votará favorável ao afastamento da presidente petista Dilma Rousseff. Segundo o parlamentar, ele havia deixado claro seu voto na reunião com a executiva do partido.

O PMDB, que possui a maior bancada da Câmara, com 66 deputados, deve se reunir nesta quinta-feira (14/04) para definir se haverá orientação favorável ao impeachment de Dilma. A Executiva Nacional do PR decidiu que haverá orientação contrária ao processo de afastamento. No entanto, a legenda está rachada e pelo menos 20 dos 40 deputados da bancada devem votar a favor do impeachment.

Fonte: G1

 

Clique em “Curtir” e receba notificações no seu Facebook quando fizermos novas postagens.

 

Deixe uma resposta