ONG coloca Petrobras na lista dos maiores casos de corrupção do mundo

Organização é referência mundial na luta contra crimes no setor público, também aparecem entidades como uma empresa pública chinesa na lista de maiores casos de corrupção da atualidade.
A ONG Transparência Internacional (TI) inicia nesta quarta-feira (9) uma votação pública em busca do melhor representante da “grande corrupção” de uma lista de 15 “candidatos” que inclui o caso da Petrobras, além do ex-presidente do Panamá Ricardo Martinelli e do presidente da Guiné Equatorial Teodoro Obiang.

O período de votação, que estará vigente até 9 de fevereiro por meio do site www.unmaskthecorrupt.org, inscreve-se dentro da campanha “Unmask the corrupt” (“Desmascare o corrupto”, tradução livre) da organização alemã, que é referência mundial na luta contra os crimes econômicos no setor público.

Entre os candidatos também se encontram dois líderes derrubados pela “Primavera Árabe”, o tunisiano Ben Ali e o egípcio Hosni Mubarak, além do ex-presidente ucraniano Viktor Yanukovich, da filha do presidente de Angola Isabel Dos Santos e do senador da República Dominicana Félix Bautista.

Aparecem também entidades como a empresa pública chinesa China Communications Construction Company, a Fifa, o Banco Espírito Santo de Portugal e a fundação pública chechena Akhmad Kadyrov.

A lista de candidatos da “grande corrupção” é completada pelo estado americano de Delaware, por permitir o registro anônimo de empresas, pelo governo e instituições do Líbano e pelo comércio de jade em Mianmar.

“Junte-se a nós neste novo esforço para deter a grande corrupção e vote no caso que você acredita que melhor a descreve”, pede o presidente da TI, o peruano José Ugaz.

15 candidatos foram selecionados entre 383 indicações recebidas, são “casos simbólicos” de “abusos em alto nível” que atualmente permanecem impunes, e com os quais “poucos se beneficiaram à custa de muitos”, causando “um dano social severo”, segundo a ONG.

O objetivo da TI com essa ação é “mobilizar o máximo de gente possível na luta contra a corrupção”, para a qual a organização pretende contribuir “mostrando o que devem fazer governos e indivíduos”, nas palavras de Ugaz.

Fonte: G1

Deixe uma resposta