Operação Lava Jato prende Adir Assad

Lobista Adir Assad foi preso, na manhã desta sexta-feira, 19, em cumprimento a ordem do juiz Sérgio Moro em São Paulo. O lobista Adir Assad está a caminho de Curitiba, base da Lava Jato.

Operação Lava Jato prende Adir Assad

Sérgio Moro ordenou na quinta-feira, dia 18, que lobista fosse enviado a carceragem da Policia Federal no Rio de Janeiro até nova deliberação judicial. A defesa de Adir Assad, o advogado Miguel Pereira Neto informou que seu cliente se comprometia a se apresenta as autoridades policiais.

Adir Assad tem três mandatos de prisão, Lava Jato, no Paraná, Operação Saqueador, no Rio, e Operação Pripyat, desdobramento da Lava Jato no Rio. O STJ revogou nesta terça-feira a prisão preventiva de Assad, referente a Operação Saqueador, fixando sete medidas cautelares, entre elas entrega do passaporte sendo proibidos de deixar o país.

O alvará de soltura foi decorrente do habeas corpus 366.806 proveniente do Superior Tribunal de Justiça e em relação à prisão preventiva decretada pela 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, descuidou da ordem de prisão vigente existente contra o condenado e exarada por este Juízo”, afirmou Moro.

Comunicando em pedido de urgência, as autoridades locais que proceda ao cumprimento do mandato de prisão, 244 recolhendo o lobista Adir Assad à prisão. Sendo capturado preventivamente em 16 de março de 2015 e condenado pelos crimes de lavagem e de associação criminosa a 9 anos e dez meses de prisão. A sentença foi imposta em 21 de setembro de 2015. Permanecendo em prisão domiciliar em 16 de dezembro do ano passado, com tornozeleira eletrônica, por determinação do Supremo Tribunal Federal.

Leia também:

Sem comida e tendo que fazer hora extra: voluntários abandonam a Rio 2016

Confira os vereadores que votaram à favor do aumento do IPTU em Guarulhos

Ideli Salvatti atua para difundir tese do golpe, dizem aliados de Temer

 

O juiz Sérgio Moro restabeleceu a prisão preventiva de Adir Assad, segundo investigações ele teria recebido R$ 18 milhões do consórcio Interpar, em repasse a executivos da Petrobras. Sendo acusado por diversos esquemas criminosos.

 

Fonte: ISTOÉ

 

Deixe uma resposta