Presidente desapropria terras para reforma agrária em ato com o MST no Planalto

A presidente Dilma Rousseff assinou nesta  sexta-feira (1/4), em evento no Palácio do  Planalto, decretos que desapropriam terras para  a reforma agrária e regularização de quilombos.  Evento faz parte da estratégia do governo de pautar uma ‘agenda positiva’, para conseguir apoio do MST contra o impeachment da presidente Dilma.

 O evento faz parte de estratégia do governo de organizar atos positivos para a presidente Dilma, a chamada “agenda positiva”, para contrabalancear a turbulência enfrentada pela presidente com o pedido de impeachment em trâmite na Câmara. É o terceiro dia seguido que Dilma realiza eventos no palácio.
Ao todo, a presidente Dilma Rousseff assinou 25 decretos na cerimônia desta sexta – 21 referentes à desapropriação de terras para a reforma agrária nos estados de Goiás, Pernambuco, Maranhão, Minas Gerais, Rio Grande do Norte, Pará, Ceará, Bahia, Mato Grosso do Sul, Sergipe, Paraíba e Paraná.
Outros quatro decretos foram assinados para a regularização de quatro comunidades quilombolas nos estados de Sergipe, Pará, Rio Grande do Norte e Maranhão (nas quais estão presentes 799 famílias).
No evento, o governo também lançou o edital do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), por meio do qual serão disponibilizados R$ 4 milhões para projetos de promoção da igualdade racial no país.

Discurso de Dilma

Após assinar os decretos, Dilma fez um discurso no qual, inicialmente, defendeu ações do governo na promoção da reforma agrária e da igualdade racial, como a política de cotas nas universidades públicas.
Na parte final da fala, a presidente fez uma defesa da democracia no país, que, segundo ela, está ameaçada. Ao contrário do que fez em outros discurso na semana, a presidente não mencionou diretamente o processo de impeachment.
“Temos que entender que democracia tem forma e conteúdo. Hoje, o Brasil tem os dois aspectos da democracia ameaçados. O aspecto formal, aquele que as leis garantem, que as leis regulam, é como se fossem as regras do jogo. As regras do jogo não podem ser rompidas, porque se se rompem, comprometem o jogo, torna o jogo suspeito, torna a relação entre as pessoas problematizada”, afirmou a presidente.
Dilma Rousseff ainda afirmou que é preciso oferecer resistência ao que chamou de “tendências anti-democráticas” e ressaltou que é contrária à violência e à perseguição de autoridades.

“Nós hoje precisamos nos manter vigilantes e oferecer resistência a tendências antidemocráticas. Oferecer resistência também a provocações. Nós não defendemos qualquer processo de perseguição de qualquer autoridade que pensa assim ou assado”, completou Dilma.

MST e o apoio a Dilma

A cerimônia de assinatura dos decretos teve representantes de movimentos de trabalhadores do campo na plateia. Líderes das entidades discursaram em favor do governo da presidente e contra o impeachment.
Antes, Dilma recebeu representantes da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), a Confederação Nacional das Comunidades Quilombolas (Conaq) e o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST).

Ocupação de terras em todo país

Em seu discurso, diante da presidente, o secretário de Finanças da Contag, Aristides Santos, defendeu a ocupação de propriedades rurais. Segundo ele, “vai ter reforma agrária, vai ter luta e não vai ter golpe”.
“Vamos ocupar as propriedades deles, as casas deles no campo. É a Contag e os movimentos sociais que vão fazer isso. Vamos ocupar os gabinetes, mas também as fazendas deles. Se eles são capazes de incomodar um ministro do Supremo Tribunal Federal, vamos incomodar as casas deles, as fazendas e as propriedades deles. Vai ter reforma agrária, vai ter luta e não vai ter golpe”
Fonte: G1

Deixe uma resposta