Com Serra, Itamaraty muda tom e rejeita críticas de bolivarianos

No segundo dia do governo do presidente interino Michel Temer, o novo chanceler do Itamaraty, José Serra, rebateu em termos duros as críticas feitas por países bolivarianos, tradicionalmente aliados da administração do PT.

Em drástica mudança de tom, o Itamaraty emitiu duas notas rechaçando o que chamou de “falsidades” propagadas por Venezuela, Cuba, Bolívia, Equador e Nicarágua, países bolivariano que haviam questionado a legalidade do afastamento da presidente Dilma Rousseff.

A Folha apurou que o próprio ministro Serra ajudou a redigir as notas, que usam um tom muito acima do habitual comedimento diplomático.

Com Serra, Itamaraty muda tom e rejeita críticas de bolivarianos

José Serra durante discussão do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff

Pouco menos de duas horas depois das notas, o presidente Nícolas Maduro anunciou que convocou o embaixador da Venezuela em Brasília. Não está claro se a retirada é definitiva, o que significaria um congelamento de relações, um passo aquém do rompimento de relações.

“Pedi ao nosso embaixador no Brasil que viesse, e estivemos reunidos avaliando essa dolorosa página da história do Brasil, uma jogada injusta com a mulher que é a primeira presidenta que o Brasil teve”, disse Nícolas Maduro.

Na nota, o Itamaraty diz rejeitar “enfaticamente” as manifestações dos países bolivarianos, “que se permitem opinar e propagar falsidades sobre o processo político interno no Brasil”. “Como qualquer observador isento pode constatar, o processo de impedimento é previsão constitucional”, segue o texto.

A UNASUL

No comunicado à Unasul (União das Nações Sul-Americanas), o Itamaraty critica diretamente o secretário-geral da organização, Ernesto Samper, que aventou a hipótese de ser acionada a cláusula democrática para suspender o Brasil em caso de “possível ruptura do sistema democrático”.

“Tais juízos e interpretações do Secretário-Geral são incompatíveis com as funções que exerce e com o mandato que recebeu” diz a nota. O Itamaraty afirma que Samper, colombiano, deixa transparecer “juízos de valor infundados e preconceitos contra o Estado brasileiro”.

Dentro do Itamaraty, as notas são encaradas como uma resposta natural aos “comunicados insultuosos” bolivarianos que haviam sido divulgados pelas chancelarias dos países.

O governo venezuelano afirmou nesta quinta (12/5) que “rechaça categoricamente o golpe de Estado parlamentar em curso no Brasil que, mediante farsas jurídicas das cúpulas oligárquicas e forças imperiais, pretende derrubar a presidente Dilma Rousseff”.

O senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, comemorou. “Vai ser bom para esses países entenderem que o Itamaraty e o governo brasileiro estão sob nova direção”, disse. “Finalmente respondemos, imagine ouvir calado países como Cuba e Venezuela darem lições de democracia?”

O embaixador Celso Amorim, que foi ministro das Relações Exteriores no governo do ex-presidente Lula (2004-11), disse à Folha que esse tipo de “reação radical” lembra o período da ditadura militar no Brasil.

“A grande preocupação com a imagem é típica de governos que decorrem de um processo ilegítimo”, afirmou. “Temos uma virada para a direita no Brasil, e o Itamaraty é um reflexo; há o perigo de o Brasil deixar de ser o ponto de equilíbrio na região.”

Para a deputada venezuelana Ilenia Media, líder do partido governista Patria para Todos, o Brasil “se isola e se desvia” do rumo da região.

Leia mais >>>

Com afastamento de Dilma, Maduro chama embaixador de volta a Venezuela

Cobrança de Serviços Cancelado, a NET é campeã em reclamações em SP

Ministro da Justiça combaterá ação violenta de movimentos de esquerda

“Por muito tempo, o Brasil foi o gigante bobo da América do Sul, um país que só seguia os passos dos norte-americanos e europeus. Aí vieram Lula e Dilma, e o Brasil virou um gigante extraordinário com luz e voz próprias. Michel Temer e seus aliados querem que o Brasil volte a ser o gigante bobo”, afirmou à Folha.

Ao mesmo tempo em que deu resposta assertiva aos bolivarianos, José Serra articula uma visita em breve à Argentina do presidente Mauricio Macri, de centro-direita. A chanceler argentina, Susana Malcorra, disse esperar que os questionamentos sobre o impeachment terminem.

“Serra está usando chumbo grosso porque quer marcar posição de força no novo governo e, para isso, precisa sinalizar uma ruptura profunda com o governo Dilma”, diz Matias Speketor, professor de Relações Internacionais da FGV e colunista da Folha.

Fonte: Folha de São Paulo

 

“Curta e Compartilhe” receba notificações no seu Facebook quando fizermos novas postagens.

 

Deixe uma resposta